Categorias
Tecnologias

Caixas Plásticas

Os produtos Arthi são fabricados para oferecer a maior qualidade e durabilidade para você. O uso de um acolchoamento interno garante a estabilidade do produto e para isso é possível usar plástico bolha, bolsas de ar, isopor em placas caixa agrícola vazada ou flocos. O uso do papelão ondulado resolve muito bem a grande maioria das situações, mas vale pesquisar outras possibilidades também. Um dos erros comuns em relação ao marketing, é não colocar os canais de contato da empresa.

funções de caixas de plástico

A manutenção preventiva do veículo é essencial para prolongar a sua vida útil e manter as peças íntegras e alinhadas para que não existam falhas durante a utilização. Quando o assunto é carro, nos deparamos com termos que podem nos ser familiares, mas nem sempre sabemos a real utilidade para o funcionamento do sistema como um todo. Parece óbvio pensar que é para trocar as marchas, porém, a sua funcionalidade vai um pouco além da simplicidade do câmbio.

Caixa De Plástico

Para produtos muito pesados, o ideal são embalagens de madeira feitas sob medida e em alguns casos o uso de estruturas de ferro. A comunicação estabelecida com a embalagem é importantíssima para a fixação da marca. A embalagem precisará informar características e uso do produto, mas também estabelecer um contato que passe os valores da empresa. Como citado, o design de embalagens é uma das pontas para trabalhar branding, a gestão da marca. Já produtos frágeis ou químicos como artesanatos, peças de vidro, eletrônicos, cosméticos e produtos de limpeza, entre outros, precisam do mesmo cuidado quanto ao material da embalagem pensando em proteção, apresentação e possíveis vazamentos ou outros riscos.

Eventualmente, estes dois atacadistas também fornecem o produto aos demais permissionários devido ao grande volume comercializado. Lembrando ainda que é possível uma impressão com boa qualidade de leitura — mesmo em caixas feitas de papelão reciclável — para informações como lote, prazo de validade, conservação dos produtos e até códigos de barras. O controle de estoque dispensa qualquer tipo de etiqueta anexa para melhor rastreio e manuseio dos lotes.

Além disso, o plástico é inerte em temperaturas utilizadas no processamento dos alimentos. E com o desenvolvimento dos métodos de enchimento asséptico é que foi possível obter o leite de alta qualidade envasado numa embalagem asséptica. Até 1950 quase todas as embalagens eram de vidro, mas já na década de 40 o papelão foi introduzido. Somente em 1960 é que se apareceu a cartolina revestida de polietileno para o leite.

Alguns atacadistas da CEAGESP apenas trocam de embalagens no seu próprio espaço (“box”). Neste caso, o produto é transportado do beneficiador para a CEAGESP em caixas de madeira do tipo “K” novas, e depois as raízes são acondicionadas em caixas de papelão ou de plástico de acordo com a demanda.

Embalagem De Plástico

Com mais de 19 anos de mercado, a Futura Express tem o desafio de integrar, em um mesmo fornecedor, uma ampla rede de soluções na área gráfica que vai desde o cartão de visitas até os maiores projetos de comunicação visual. A Futura Express é uma gráfica que é movida pelo desafio de realizar ideias em comunicação impressa personalizada, para que haja qualidade de impressão e soluções inovadoras e eficazes. Afinal, a equipe capacitada, antenada e versátil tem em seu DNA a sede por inovações, a busca incessante por tecnologias de ponta e o zelo pelo bom atendimento consultivo. A Futura Express é especialista na fabricação de embalagens personalizadas.

Nesta situação, as injúrias mecânicas decorrentes do uso da caixa “K” já ocorreram e os sintomas aparecerão mais tarde, na forma de lesões deprimidas e escuras, principalmente quando as raízes são expostas em gôndolas no varejo em condição ambiente. A situação ideal é o uso destas novas embalagens nos beneficiadores, após a lavagem e a secagem das raízes. A comercialização da mandioquinha-salsa no mercado atacadista e varejista também tem acompanhado esta tendência de mudanças, como constatado no mercado atacadista do Rio de Janeiro. Outro material muito utilizado, porém, com menores possibilidades do que o plástico. O papelão, o papel e o kraft são opções possíveis para diferentes produtos, considerando a produção de sacolas e caixas. Como esses materiais são vendidos em diferentes gramaturas, esse é um fator que deve ser avaliado dentro das três funções apontadas anteriormente. Facilmente higienizáveis, as caixas plásticas da Lar Plásticos também são resistentes a repetidas lavagens sem perder a qualidade inicial.

Tecnologia E Logística

Afinal, caso contrário, a preocupação com a embalagem passará a ser superficial e irá transmitir a sensação de que a empresa está focada em questões supérfluas, enquanto o que é central está sendo negligenciado. Mesmo que a empresa ofereça proteção com os embrulhos tradicionais, investir em embalagens mais reforçadas e utilizar mais de um modo para garantir a proteção também são formas de demonstrar preocupação. Podemos dizer que a embalagem na logística pode ser considerada primária, secundária ou terciária, isso vai depender do tipo de contato que tiver com o produto. As embalagens de isopor são bastante utilizadas tanto no armazenamento quanto no transporte de alimentos frescos. Isso acontece devido à capacidade do isopor conservar a temperatura dos alimentos.

As vantagens de embalagens plásticas e de papelão ondulado sobre a caixa de madeira do tipo “K” já foram demonstradas para algumas frutas e hortaliças (Chitarra e Chitarra, 1990; Chitarra, 1994; Mourad, 1996). A vantagem comparativa das embalagens plásticas e de papelão em relação à caixa “K” é ter um padrão de tamanho constante, definido industrialmente e não artesanalmente como no caso das caixas de madeira. Com exceção do contentor plástico de 32 kg de capacidade, todas as demais embalagens utilizadas para a mandioquinha-salsa têm capacidade inferior à da caixa “K”, uma mudança positiva porque segue uma tendência de mercados mais exigentes, como o da Europa. A função básica das embalagens é proteger e evitar perdas na comercialização de produtos hortícolas, e ao mesmo tempo também manter a qualidade e higiene do produto e atrair possíveis clientes (Chitarra, 1994; Asgrow, 1995). Nos últimos anos, tem sido muito discutida a modernização do setor de embalagens para frutas e hortaliças e a necessidade de mudanças (Asgrow, 1995; Accarini et al., 2000). Na comparação direta entre caixas plásticas ou de papelão corrugado e as caixas “K” para acondicionamento de hortaliças, o desempenho das caixas de madeira foi sempre inferior (Luengo et al., 1997; Luengo et al., 2000; Nantes e Durigan, 2000; Castro et al., 2001). Algumas das caixas de papelão chegam ao mercado de destino completamente desestruturadas porque absorvem umidade das raízes e não suportam o peso das raízes e o manuseio durante o transporte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *